AGE do Brasil vive momento de crescimento e expansão em meio à crise econômica

A crise política e econômica no Brasil parecia não dar trégua e, enquanto muitas empresas fecham fábricas ou encerram totalmente suas atividades, algumas indústrias não somente mantêm suas atividades como experimentam considerável crescimento e vêm expandindo seus negócios, alcançando novos mercados. De acordo com levantamento realizado pela Betalabs, especializada em Enterprise Resource Planning (ERP), de nove segmentos analisados no último ano, o setor de cosméticos foi o segundo em crescimento (8%), atrás somente do alimentício (9%).

 

No mercado internacional, o Brasil responde por 7,1% do consumo de cosméticos e produtos de higiene pessoal. A Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec) projetou, para 2017, crescimento de 4,5% em higiene pessoal; 3,4% em perfumaria e 2,7% em cosméticos, em relação a 2016.

 

COMO A AGE DO BRASIL CONSTRUIU SEU CRESCIMENTO EM TEMPOS DE CRISE ECONÔMICA

Há 15 anos, a AGE investe no Brasil, pois acredita no potencial de trabalho e no mercado brasileiro. Nos últimos quatro anos, a operação da AGE saiu de uma abrangência centralizada em Santa Catarina e foi também para São Paulo visando a melhor logística de entrega. Encontramos dificuldades que foram superadas desde o começo de uma forma tão positiva, que batemos todos os recordes de produção jamais pensados, e isso alimentou ainda mais a vontade de crescer.

Em 2015, produzimos 30 milhões de unidades somente na Matriz, em Palhoça (SC). No ano seguinte, quando a Unidade 2 (em Vinhedo, SP) entrou em funcionamento, praticamente dobramos a produção como resposta às demandas deste segmento de mercado tão promissor para qual terceiramos a produção com qualidade e excelência.

Em 2017, com a inauguração da terceira fábrica (também em Vinhedo), e nossa meta para este ano é ultrapassar os 100 milhões de unidades produzidas. Para isso, contamos com quase 400 funcionários nas três fábricas. A produção em SP contempla as linhas de oral care (cremes dentais e enxaguatórios), sabonetes em barra e lenços umedecidos. Em Santa Catarina são produzidos outras linhas como hidratantes, colônias, álcool em gel, além dos shampoos e condicionadores.

Entenda como funciona a terceirização de cosméticos, baixe nosso e-Book gratuito.

 

Compromisso com a qualidade

É importante lembrar que todo cosmético precisa ser aprovado pela Anvisa antes de ser lançado, por isso nosso alto padrão de qualidade se destaca nos produtos que entregamos para os seus clientes. A AGE se diferencia por ser a única empresa do segmento com um sistema de gestão certificado pelos selos ISO9001 e ISO14001 na América Latina. Quer saber mais sobre nosso compromisso? Assista um vídeo com Daniela Arend, diretora de qualidade como a AGE do Brasil.

 

crise econômica

Vídeo: Conheça a Solução Integrada para Cosméticos e entenda como é feita a distribuição dos produtos

Com 15 anos de expertise em fabricação de cosméticos para diversas marcas brasileiras e internacionais, a AGE do Brasil criou, em 2017, a Solução Integrada para Cosméticos. Os serviços oferecidos vão desde a importação de insumos até a distribuição, passando por todas as etapas de fabricação, envase e estoque.

O novo serviço é um grande diferencial da AGE, pois permite que nosso cliente repasse o pedido do comerciante e nós enviamos os produtos diretamente para o atacadista / varejista, sem a necessidade de o cliente fazer essa “ponte” entre fábrica e comércio e o consumidor final, conforme explica Guilherme Jacob, presidente da AGE do Brasil, neste vídeo.

 

Cosméticos

Entenda tudo sobre Solução Integrada para Cosméticos

Em 2017, a AGE do Brasil lançou a Solução Integrada para Cosméticos. Esse novo processo oferecido ao cliente consiste em integrar todas as etapas da produção dos cosméticos: importação, fabricação e distribuição. Dessa forma, o cliente pode ficar focado apenas em desenvolver sua marca.

Quer entender melhor? Se inscreva nessa série de vídeos que o Presidente da AGE do Brasil, Guilherme Jacob, explica como tudo funciona.

Solução

O sistema de gestão de duas unidades AGE do Brasil foram certificados com as normas ISO 9001:2015 e ISO 14001:2015

Entre 31 de julho a 4 de agosto, o sistema de gestão da Unidade AGE 1 (Palhoça, SC) conquistou a recertificação das normas ISO 9001 e ISO 14001, versão 2015. Entre os dias 14 a 18 de agosto foi a vez da unidade AGE 2 (Vinhedo, SP) passar pelas avaliações necessárias para conquistar as mesmas certificações.

Esse êxito é a resposta de muito trabalho em equipe, seguindo as diretrizes que traçamos ao longo dos anos. Com isso, a AGE do Brasil reafirma sua excelência e a busca constante de melhoria em seus produtos e serviços, sempre mantendo o respeito e a responsabilidade socioambiental.

O próximo desafio já foi proposto pela Direção: a unidade AGE 3 (Vinhedo), recém-inaugurada (maio/2017), iniciará o projeto de implantação da ISO. Dessa forma, em 2018, a AGE do Brasil terá todas as unidades com o sistema de gestão integrado certificado nas normas ISO 9001 e 14001:2015.

 

CERTIFICAÇÕES ISO 9001:2015 E ISO 14001:2015

As certificações emitidas pela International Organization for Standardization (Organização Internacional de Normalização) – ISO – para empresas preocupadas em melhorar suas práticas para otimizar a produção, visando ao cuidado com funcionários, com todo o processo produtivo, com a sociedade e com o meio ambiente.

 

Entenda melhor como funcionam as certificações na produção de cosméticos.

Santa Catarina tem vantagens tributárias em diferentes setores da economia

A instabilidade econômica e a alta carga tributária brasileira repercutem diretamente na competitividade e produtividade das empresas. Isso pode significar cancelamento de contratos, diminuição de investimentos, fechamento de postos de trabalho e a desaceleração da economia. Na busca por alternativas legais que minimizem tributos e fortaleçam suas estratégias de mercado, empresas de diferentes tamanhos têm optado por se instalar ou realizar importações pelo estado de Santa Catarina.

Isso porque a entrada de mercadorias por esse estado tem particularidades que contribuem com a redução de custos, melhoram o fluxo de caixa e a competitividade do negócio. Tudo isso é possível devido a regimes especiais que propiciam a diminuição da base de cálculo dos impostos referentes à importação, além do crédito presumido que, por consequência, converge, atualmente, para a menor taxa tributária do Brasil.

De acordo com a Secretaria de Estado da Fazenda (SEFAZ/SC), o benefício fiscal adotado em Santa Catarina é o Tratamento Tributário Diferenciado (TTD) que, após o pedido de concessão aceito pelo fisco estadual, traz vantagens na redução do Imposto sobre Circulação de Mercadoria e Serviços (ICMS).

 

Programas de desenvolvimento e benefícios

O estado conta também com diversas modalidades de incentivos fiscais para entrada de matéria-prima, inclusive para quem importa insumos do setor de produção de cosméticos e bens destinados ao ativo permanente, que diminuem a incidência do ICMS integral e postergam o recolhimento para o momento da circulação de mercadorias.

Para quem busca alternativas legais para diminuir o impacto tributário em seu negócio, melhorar o fluxo de caixa e se fortalecer no mercado, vale a pena conhecer os benefícios apresentados pelo estado, inclusive nas questões referentes à circulação. O objetivo de Santa Catarina com essas vantagens é atrair novas empresas, abrir mercados, movimentar a economia, gerar empregos e estimular a produção de riquezas. Confira:

  • Programa Pró-emprego

O Programa Pró-emprego foi instituído pela Lei nº 13.992, de fevereiro de 2007, e regulamentado pelo Decreto nº 105, de 14 de março de 2007. Sua meta é gerar mais receita para Santa Catarina bem como o aumento da taxa de empregos no estado, por meio de incentivos fiscais a empreendimentos situados ou que venham a se instalar em território catarinense considerados de relevante interesse socioeconômico.

São considerados de interesse social e econômico os empreendimentos que sejam representados por projetos de modernização tecnológica, expansão, reativação e implantação, pois possuem alto potencial de desenvolvimento social, tecnológico e econômico para o estado de Santa Catarina.

  • Programa Pró-cargas

O Programa Pró-cargas ou Revigoramento do Setor de Transporte Rodoviário de Cargas de Santa Catarina foi instituído pela Lei Estadual nº 13.790, de 2006 e outorga tratamento tributário especial para o Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação.

  • Programa Prodec

O Programa de Desenvolvimento da Empresa Catarinense (Prodec) foi instituído pela Lei Estadual nº 13.342, de 2005. Sua principal missão é fomentar o desenvolvimento econômico e social catarinense, concedendo financiamentos e incentivos fiscais a investimentos empresariais ou para participação no capital de empreendimentos que estejam instalados em Santa Catarina.

 

Solução Integrada para Cosméticos

Além dos programas de incentivo o Estado catarinense é um dos melhores lugares do Brasil para importar em função da agilidade dos portos e flexibilidade dos custos. Toda logística é realizada pela AGE do Brasil dentro dos padrões legais, o que oferece aos clientes da terceirização de cosméticos as melhores alíquotas e taxas. Após 15 anos de atividade a AGE do Brasil oferece o pacote de Soluções Integradas para Cosméticos, através dos serviços oferecidos por nossa indústria desenhamos um pacote específico para cada cliente, considerando a necessidade de produção, armazenamento e entrega tudo com padrão de qualidade reconhecido pelas certificações ISO 9001 e ISO 14001.

 

vantagens tributárias

O que é o joint venture? Como esse modelo de negócio beneficia a AGE do Brasil e seus parceiros

Basicamente, joint venture é uma parceria entre duas partes (físicas ou jurídicas) em que ambas mantêm seu caráter e sua identidade, gerando um terceiro elemento, sem que haja fusão das partes. Historicamente, as fusões se davam entre uma empresa do ramo industrial e uma comercial, hoje, é comum a união de empresas do mesmo segmento que se unem para explorar uma atividade comum em um nicho no qual nenhuma das partes está inserida, ampliando suas atuações e seus mercados.

 

O termo joint venture significa “união de risco” e traz no nome uma característica da transação. Juridicamente, cada uma das partes continua existindo independentemente e continuam respondendo judicial e economicamente por seus negócios além da fusão.

 

VANTAGENS DA JOINT VENTURE

Os benefícios dessa modalidade são inúmeros, tanto para as empresas que se associam quanto para o mercado e os clientes. Muitos elos da cadeia – da produção ao consumidor – costumam se favorecer dessas fusões.

Dentre as mais significativas, destacamos:

– menores custos de produção;

– expansão das marcas para novos mercados sem que haja presença física das empresas parceiras;

– troca de experiências e conhecimentos, aquisição de novas técnicas e processos;

– mudança da figura do concorrente e da forma como lidar com a concorrência;

– aumento na qualidade de serviços e produtos;

– conquista de novos mercados.

 

JOINT VENTURE: PARCERIAS DA AGE DO BRASIL

A AGE do Brasil está em expansão e inaugurou recentemente sua terceira unidade, localizada em Vinhedo (SP). Com uma planta de mais de 6.700m², a indústria será responsável pelo atendimento de três segmentos: oral care, sabonetes em barra e cosméticos.

 

O crescimento é reflexo de novos negócios liderados pelo CEO da AGE do Brasil, Guilherme Jacob, que em uma operação de joint venture assumiu a produção da linha de cremes dentais da empresa Bony Brasil, agregando tecnologia e inovação aos produtos.  Além disso, a AGE do Brasil concretizou também a aquisição da terceirista de sabonetes em barra Guati Indústria de Cosméticos.

 

Com esta aquisição e os novos negócios, a terceira unidade da AGE do Brasil já inicia as operações com a produção em alta. A expectativa é produzir quatro milhões de unidades de novos produtos por mês.

 

Para a AGE, o joint venture permite se unir a empresas que possam oferecer algo que não temos – “o melhor de duas partes” – para realizar um trabalho que não é possível separadamente. Por exemplo, AGE oferece o domínio do processo e a gestão de uma indústria a uma empresa que não tem esse conhecimento e isso gera redução de custo.

 

Uma joint venture bem planejada permite que cada parte possa focar em seu nicho: os parceiros da AGE podem focar no seu negócio comercial e de desenvolvimento da marca, enquanto a empresa se responsabiliza pelos processos industriais.

 

joint venture